Terca-Feira, 18 de Dezembro de 2018    Responsável: Jota Oliveira    Fone: 67 9988-5920

Exército, PRF e PF se unem em grande operação na fronteira


Ao todo, serão 600 homens atuando no combate ao crime organizado
Uma grande operação na fronteira envolve Exército, PRF e PF denominada Operação Fronteira Segura. (FOTO: Paulo Ryba)

Com 600 homens do Exército, Polícia Rodoviária Federal (PRF) e Polícia Federal (PF), começou nesta quinta-feira (20) a Operação Fronteira Segura, em toda faixa sudoeste de Mato Grosso do Sul. Ação conta também com o apoio da Força Nacional e foca o combate ao crime organizado que ganha força pela entrada de drogas e armas através da fronteira com o Paraguai.

A previsão inicial é que a operação tenha duração de dez dias a partir de hoje. As forças policiais e militares terão apoio de helicópteros, viaturas. barcos e armamento pesado na operação. Serão 300 homens do Exército, 100 da PRF e 200 da PF.

A intenção é fazer com que a Operação Fronteira Segura sirva de modelo para outras ações de maior porte que devem ser realizadas no restante de Mato Grosso do Sul e também em outros Estados do País.

 

HISTÓRICO NEGATIVO

Em agosto deste ano, o Correio do Estado, mostrou que, as cidades de fronteira em Mato Grosso do Sul batem “recorde” negativo, especialmente no que diz respeito à educação, saúde, economia e segurança pública. A informação é baseada em estudo feito  pelo Instituto de Desenvolvimento Econômico e Social de Fronteiras (IDESF) em que as cidades de Bela Vista, Coronel Sapucaia, Corumbá, Mundo Novo, Paranhos, Ponta Porã e Porto Murtinho apresentam números até quatro vezes maiores que a média nacional.

Conforme o estudo, os números de homicídios e mortes por armas de fogo são os mais altos dentro do universo pesquisado. O índice de homicídios de Paranhos, por exemplo, é de 109,7, quase quatro vezes a média nacional, que é de 27,85 mortes para cada cem mil habitantes. O número de mortes por armas de fogo no município é de 58,51, quase três vezes a incidência de 20,31 registrada no País.

“Há uma correlação desses números, sendo que os dados de violência indicam que toda uma condição social que teria que vir antes - de educação, de saúde e de crescimento econômico - é falha, gerando esses indicadores preocupantes”, destacou Luciano Stremel Barros, presidente do IDESF.

 

PREJUÍZO

Em outra reportagem publicada no mês passado, o Correio do Estado mostrou que, os crimes de fronteira dão prejuízo de R$ 136 bilhões ao país.  No Mato Grosso do Sul, as ações policiais nas faixas de fronteiras com a Bolívia e Paraguai, apesar do volume crescente de apreensões feitas pelo Departamento de Operações de Fronteira (DOF), Polícia Federal, Polícia Rodoviária Federal, e mesmo pela Polícia Militar, não têm sido suficientes para conter a entrada de contrabando de cigarros, eletrônicos, confecções e outros itens, e nem da drogas, como a cocaína e a maconha.

Segundo informações da Secretaria Estadual de Justiça e Segurança Pública (Sejusp), no período de janeiro a julho deste ano foram apreendidas no Estado cerca de 204 toneladas de maconha e pouco mais de uma tonelada de cocaína. Somente o DOF apreendeu 256,7 quilos de cocaína e 31,9 toneladas de maconha.

Enquanto isso, dados do Ministério da Segurança Pública indicam que, nos últimos 12 meses, no contexto da Operação Égide, executada pela PRF,  foram apreendidos mais de 9 milhões de pacotes de cigarros vindos do Paraguai. Essas apreensões aconteceram dentro da área encabeçada por Mato Grosso do Sul, com a inclusão do Acre, Mato Grosso, Paraná, Santa Cataria e Rio Grande do Sul.

Se somada uma área de menor incidência, formada por Goiás, São Paulo, Minas Gerais e Rio de Janeiro, o volume sobe para 11,3 milhões de pacotes. (Com informações Campo Grande News).


Fonte: Campo Grande News