Sexta-Feira, 26 de Abril de 2019    Responsável: Jota Oliveira    Fone: 67 9988-5920

Delegado que “bateu” à porta de Lula deixa MS e assume PF do Paraná


Luciano Flores de Lima chegou a Campo Grande em fevereiro de 2018, com destaque por comandar a operação Aletheia
Luciano Flores de Lima assumiu comando da PF de MS em fevereiro de 2018. (FOTO: André Bittar/Arquivo)

 

A anunciada transferência do atual superintendente da PF (Polícia Federal) em Mato Grosso do Sul para o Paraná foi oficializada nesta segunda-feira (dia 14). O delegado Luciano Flores de Lima foi exonerado do cargo que atualmente ocupa e nomeado para comandar a PF no Paraná, epicentro da operação Lava Jato.

Superintendente do Paraná, o delegado Maurício Leite Valeixo foi exonerado. Ele assumiu a direção-geral da Polícia Federal no começo de janeiro. Não há informação sobre o substituto de Luciano Flores de Lima no Estado.

A gestão dele à frente da PF em Mato Grosso do Sul começou no mês de fevereiro de 2018. No currículo de Luciano, se projeta a operação Aletheia, a quarta fase da Lava Jato, em que cumpriu o mandado de condução coercitiva do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), atualmente preso. Aletheia significa busca pela verdade.

Na entrevista ao Campo Grande News, a primeira a veículo de imprensa de Mato Grosso do Sul, também ficou expressa a proximidade com o então juiz federal Sergio Moro, que assumiu o Ministério da Justiça na gestão de Jair Bolsonaro.

Segundo o superintendente, o diferencial para a velocidade dos processos da Lava Jato se deviam à dedicação de Moro e ao sistema eletrônico utilizado pelo TRF 4 (Tribunal Federal da 4ª Região), que inclui a Justiça Federal do Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul. “Não existe perda de tempo com a tramitação física de processo”, detalhou ao campo Grande News em fevereiro de 2018.

Operações – No ano passado, a PF de Mato Grosso do Sul deflagrou operações como a Again, que investigou fraudes em hospitais públicos; a Laços de Família, que revelou um grupo de traficantes liderado por policial militar e com uma rede de laranjas; a Nepsi, que prendeu acusados de liderar esquema de contrabando de cigarro, incluindo um alvo que ia se casar no dia da operação; e a Lama Asfáltica, que prendeu o ex-governador André Puccinelli (MDB) em julho e mirou contratos de informática na última fase, deflagrada em novembro. Puccinelli foi solto em dezembro. (Com informações Campo Grande News).

 


Fonte: Campo Grande News